Sustainable Cities International Network Annual Symposium

O pico do petróleo, as mudanças climáticas e a grave situação de ecossistemas que sustentam a vida, tornam fundamental pensar em cidades mais resilientes e que diminuam significativamente seu impacto através de modos e estilos de vida mais sustentáveis. Neste sentido a inovação pode ser uma ferramenta chave para acelerar o processo de transformação.

Estes foram alguns dos principais temas abordados durante o evento realizado entre os dias 30 de abril e 03 de maio de 2012 em Vancouver, Canadá. Os três eixos escolhidos para abordar as discussões: Energia, Alimentos e Agricultura Sustentável e Gestão da Água.

Ao longo do encontro foram apresentadas experiências que mostram resultados concretos em prol da sustentabilidade em diferentes lugares do mundo.

Inovação para a Sustentabilidade

Mais da metade da população mundial mora em cidades e as estatísticas indicam que esta cifra só tende a aumentar. Na America Latina, por exemplo, 75% da população já é urbana.

Constata-se que as cidades e os territórios enfrentam problemas cada vez mais complexos, tais como a redução das emissões de carbono e da pegada ecológica; a escassez de água limpa, a melhora da qualidade do ar, a falta de mobilidade, o aumento da coleta seletiva e da reciclagem, a diminuição das desigualdades, a falta de moradias e a qualidade das mesmas, entre muitos outros.

Ao mesmo tempo as cidades podem se transformar na solução de muitos desses e outros problemas. É nas cidades onde as pessoas moram e têm a possibilidade de cuidar, participar e transformar a sua realidade. As cidades oferecem, também, as condições necessárias para promover a inovação, a introdução de novas ideias, processos, procedimentos, serviços ou políticas que busquem a sustentabilidade.

Nesse sentido, autoridades locais de diferentes partes do mundo têm se comprometido na busca da sustentabilidade social, ambiental, econômica, cultural e política das suas ações e de uma qualidade de vida crescente para os cidadãos.

O Evento reuniu principalmente representantes de governos locais e alguns representantes de organizações da sociedade civil.

Temas do encontro

Foram escolhidos três eixos chaves para pensar e agir no sentido da resiliência das regiões urbanas.

– Energia: No contexto do pico do petróleo, mudanças climáticas, preços crescentes e imprevisíveis da energia, as cidades estão repensando o fornecimento e o uso da energia. Reduzir a dependência do petróleo e outros combustíveis fósseis, diversificar a matriz de energia através da promoção de soluções de energia locais e descentralizadas, investindo em fontes limpas e renováveis e aumentando a eficiência e conservação energética nos edifícios, processos industriais e sistemas de transporte são algumas das soluções que ajudarão a atender a demanda de energia nas cidades e a diminuir progressivamente os impactos no meio ambiente.

Portland, nos Estados Unidos, que tem um ambicioso Plano de Ação para Mudanças Climáticas, visando reduzir as suas emissões em 40% até 2030 e 80% até 2050 está trabalhando duro para reduzir o uso de energia na área da habitação e da mobilidade urbana. Estão buscando promover e incentivar o uso do transporte público e outros meios não poluentes e ativos, tais como a bicicleta e percursos a pé. Na área de habitação, tem um interessante programa, acessível a toda a população, para facilitar a melhoria da eficiência energética nas moradias.

Mais informações: http://www.cidadessustentaveis.org.br/boas_praticas/exibir/42; http://www.cleanenergyworksoregon.org/

– Alimentos: O sistema alimentar global está enfrentando pressão por causa das mudanças climáticas, excesso de colheita e o aumento dos preços dos combustíveis. Questões como segurança alimentar, perda de terras cultiváveis, diminuição critica das populações de peixes e fome, são situações que revelam a urgência da ação em torno ao desenvolvimento de sistemas alimentares locais resiliêntes. Muitas cidades já estão trabalhando em soluções inovadoras para apoiar a agricultura local – incluindo a produção e distribuição de alimentos.

Uma experiência interessante está sendo desenvolvida em Richmond, município vizinho de Vancouver. O projeto visa incentivar a prática local de plantio, a oferta de alimentos orgânicos na cidade e aproximar cada vez mais a cultura urbana da agrícola. Trata-se de “The Sharing Farm” (a fazenda compartilhada), um empreendimento desenvolvido em um parque público, onde são oferecidos cursos para alunos de todas as idades, desde escolas até ensino tecnico, possibilidades de voluntariado para funcionários de empresas e parcelas de terra disponíveis para plantio de alimentos para consumo familiar.

Mais informações: http://www.sharingfarm.ca/

– Água: Com as mudanças climáticas produzindo eventos cada vez mais extremos, e o aumento das superfícies impermeáveis devido a continua expansão e crescimento das manchas urbanas, as cidades terão que repensar a forma como elas constroem as áreas urbanas, irão enfrentar custos crescentes devido às inundações, elevação do nível do mar e a necessidade de assegurar água potável de qualidade. Inovações em design de sistemas naturais e o desenvolvimento de infraestrutura verde podem oferecer suporte a esses desafios emergente. As cidades estão se concentrando, também, em ter sistemas de gestão de água mais eficientes que cuidam, simultaneamente, das populações humanas e dos sistemas ecológicos.

Um exemplo claro de governança metropolitana e boa gestão da água é Metro Vancouver. O prestador de serviços públicos fundamentais como saneamento básico, tratamento e abastecimento de água potável e resíduos sólidos na região Metropolitana de Vancouver.

Os planos regionais de Metro Vancouver representam uma abordagem integrada para trabalhar algumas das questões mais importantes relacionadas com a sustentabilidade de uma região metropolitana dinâmica. A abordagem integrada é fundamental para a prestação de serviços eficazes e acessíveis, e contribui para uma elevada qualidade de vida dos residentes, mantendo o rico legado natural da região. Metro Vancouver transforma essas ideias e planos em ação.

As ações locais também são importantes, os sistemas de aproveitamento de águas pluviais, biossistemas integrados de tratamento de águas residuais, sistemas de reutilização domiciliar, infraestrutura verde urbana, tais como telhados verdes, entre outros, são essenciais para buscar a resiliência das cidades.

Mais informações: http://www.metrovancouver.org/Pages/default.aspx

Essas experiências servem como inspiração para continuar plantando futuros mais sustentáveis.

Ariel Kogan

Com informações de: http://www.metrovancouver.org/2012SCI/Pages/default.aspx

Anúncios
1 comentário
  1. Eu tenho a solução para acabar com a falta de água de 50 a 80 % nas áreas urbanas afetadas, e a inda trazer a população mais higiene praticidade sustentabilidade e ecologia.

    OBS. mesmo com o reservatório de água baixo

    ( E eu posso e provo para qualquer um que queira )

    Só mesmo se não querem acabar com a falta de água e não querem que a população tenha mais benefícios

    Ou se o que estão falando para população não passa de uma propaganda enganosa para ganhar mais dinheiro encima disso!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: